quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Músicas que não escolhi

Vôo 1800 da Gol, 25 de novembro de 2009

Para decepção de alguns não topei com Hare Krishnas em mais esta andança, a tradição que se quebra, minhas viagens sempre ao lado de religiosos. Piorando a situação, vôo vazio geralmente não rende texto interessante, a falta de vizinhos com suas vidas únicas, tudo pronto para ser relatado aqui! Mas por sorte me deparei com sujeito estranho o suficiente para algumas linhas, então vamos lá:

Já na sala de embarque noto a chegada triunfal do sujeito cabeludo e alto, os tufos presos por fita ou travessa, uma pretendida pinta de galã frustrada pelo aspecto sujo e desleixado, a camisa de um branco encardido, o amarelado que revela o tempo, o rosto brilhante de suor e gordura de um dia inteiro. Era a cara do agora Deputado Federal Frank Aguiar, o antigo Cãozinho dos Teclados, e trazia em uma das mãos embalagem de formato singular, toda feita com sacolas plásticas de supermercado. Na outra mão, um celular!

Em pé na sala lotada, o sujeito passa a vista em todos nos, o olhar talvez sedutor, demorado e meticuloso quando mulher sob a vista, o gavião que tem certeza do bote. Mas ninguém liga e nem dá bola, e o amigo resolve então se aquietar e se esparrama a quase deitar na cadeira vazia mais próxima. Foi então que resurgiu o celular, maldita máquina de fazer doido que prontamente foi colocada para matraquear, o brinquedo na mão da pessoa errada, o mal educado certo. Fomos brindados então com A-Ha, Hunting high and low, o máximo som do pequeno aparelho, a perna agora dobrada e a mão no queixo, maior cara de “coitado de mim, cuidem de mim!” Nós, os demais, o entreolho geral perplexo com o sujeito que obriga todos à audição, o volume que incomoda às cinco da manhã. Agora escutamos Bryan Adams, Please Forgive me. A senhora ao meu lado, visivelmente irritada, sugere: “que tal se a gente comprar um fone para esse cara de pau?” mas ninguém faz nada, todos ainda com muito sono para reagir! E agüente mais Bryan Adams, Everything I Do.

Atenção passageiros do vôo 1800, Gol Varig, com destino a Brasília e escalas em Marabá, embarque autorizado no portão de numero três.

Com o tropel de praxe rapidamente se forma a gigantesca fila em frente ao embarque. E o colega muda novamente de posição, agora o rosto para o lado, aparência de mágoa com as mulheres que ali estavam, ninguém que tenha lhe dado bola, a tolice e birra do fracassado e sebento sedutor que esperava um “vem cá meu bem... não fica assim...

Embarcamos tranqüilos ao perceber que o barulhento não viria no mesmo vôo, a senhora do meu lado ainda irritada, resmungando, querendo chamar a segurança do aeroporto... E ele ficou lá, sozinho, escutando no último volume Cyndi Lauper... Time after time.

5 comentários:

Luana C. disse...

Chega a ser engraçado esse tipo de pessoa.

Claro, engraçado pra mim, que não estava numa sala de embarque às 5 da manhã! kkkkk

Cãozinho dos teclados e mal educado!

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkk

Pense, poderia ser PIOR. Vai q ,além de sósia, a tal figura tivesse no celular as músicas do Frank Aguiar?

PIOR, ouvir os 5 da manhã o famoso (?) " auuuuuu" estridente do cãozinho do teclado ???

As bregas e melosas internacionais agora soam melhor, confesse rs

Deverias ter tirado discretamente uma foto dessa figura, cara kkkkk

W

Grozelix disse...

Gente destesto essas pessoas sem noção, pra mim celular deveria se só para falar e ter um único som... o básico, cada marca escolhe a sua e pronto, nada de mp3, 4, 5, coisa chatinha, heim? A pessoa sem noção com o celular pode criar dor de cabeça em muitas situações, então cuidado galera!

Adorei a dica do blog, muito boa, obrigada!

Tanto disse...

Realmente poderia ter sido bem pior! mas bem... foi só uma coisa meio sem graça que escolhi contar para vocês, na falta de algo melhor!

Anônimo disse...

Achei bem descrita e engraça, ora... principalmente pq não estava lá.


:-P
W