quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Palavras do ano + etimologices = Retrospectiva

Janeiro - Demissão - "Demissão" vem do latim demissio, demissionis, com sentido de "queda", "rebaixamento", "interrupção". O ano mal começa e a palavra já assombra o planeta, com o agravamento da economia global. Como consequência da crise, a sensação de rebaixamento contida na palavra "demissão" ganha corpo com os níveis de pressão no trabalho, os programas de desligamento voluntário e os sacrifícios pessoais pela manutenção do emprego. E ganha também um símbolo na onda de suicídios corporativos da France Telecom, divulgados inicialmente em janeiro e que até outubro responderia por 25 casos

Fevereiro - Fraude - A advogada brasileira Paula Oliveira, de 26 anos, denuncia às autoridades suíças ter sido vítima de um ataque xenófobo numa estação de metrô em Zurique. A agressão, que ela atribuiu a skinheads, teria resultado num aborto. Com isso, o clima pesou nas relações diplomáticas entre Brasil e Suíça, e o tema da xenofobia europeia voltou à tona. Até que finalmente a farsa é descoberta: médicos legistas concluíram que a jovem mutilara o próprio corpo. A brasileira foi indiciada por mentir às autoridades, punição por uma fraude (do latim fraus, fraudis, "erro", "ação de iludir") de implicações diplomáticas.

Março - Excomunhão - O arcebispo de Olinda e Recife, D. José Cardoso Sobrinho, causou espanto ao excomungar uma menina de 9 anos que, de maneira legal, abortara gêmeos - concebidos após sucessivos estupros cometidos pelo padrasto. "Excomunhão", pela etimologia do latim eclesiástico, vem de excommunio, onis e, em sentido figurado, equivale à exclusão de uma pessoa de dado grupo.

Abril - Passagem - A denúncia do uso irregular da cota de passagens aéreas por parlamentares vira tema obrigatório no país. Não era preciso prestar contas de bilhetes, destinos e valores. O escândalo envolveu até nomes graúdos da política, como Tasso Jereissati e Fernando Gabeira, que pediu desculpas pelo gasto indevido. Quase premonitória, a palavra "passagem" não esconde a origem francesa: o significado de passage remonta a "desfiladeiro na montanha", e foi ao abismo do trem da alegria que os parlamentares foram lançados ao cair na boca do povo.

Maio - Gripe - O termo contagiou os mais diversos meios de comunicação, que passaram a alertar as pessoas sobre as formas de transmissão da gripe suína com frequência diária. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), as perspectivas eram de uma genuína pandemia e uma dúvida semântica: em meio ao alarde, as autoridades de saúde discutem o tratamento a ser dado pela mídia à doença e "gripe A" termina por substituir "suína". A disseminação no idioma também era passível de controle.

Junho - Acidente - A notícia de uma catástrofe aérea voltou a assombrar o imaginário do brasileiro. Um avião da Air France que ia do Rio de Janeiro a Paris sumiu no oceano, próximo ao litoral de Fernando de Noronha. Por ter caído em alto mar, o acesso das equipes de resgate aos destroços foi difícil e as buscas arrastaram-se por dias até que se dessem por encerradas. O acidente resultou em 228 mortes, 58 delas de brasileiros. O termo remonta ao latim accidens, entis, "o que sucede", particípio presente de accidere, "cair".

Julho - Ato secreto - A descoberta de esquema no Senado de favorecimento de servidores e gastos não publicados no Diário Oficial fica conhecida como "ato secretos" porque só os "interessados" sabiam de sua existência. "Ato" vem do latim actus e quer dizer "movimento", "impulso" ou "andamento". Já "secreto" remonta ao latim secretus, a, um, "apartado", "distinto", "especial", sentido que parece soar melhor aos ouvidos dos políticos, que se julgam acima dos mortais, do que algo feito às escondidas justamente por ser ilícito.

Agosto - Factoide - Dois factoides tomam o mês. Um foi o erro de português de Sasha (foto abaixo), filha de Xuxa, no Twitter. Ao escrever "cena" com s, a menina virou alvo da intolerância dos internautas. Outro caso foi a suposta politização da Receita Federal pelo governo Lula, hipótese que, mais tarde, não encontraria respaldo nem na oposição. Segundo o Aurélio, factoide é "fato, verdadeiro ou não, divulgado com sensacionalismo" para gerar impacto. De origem grega, o sufixo "oide" pode conter teor pejorativo.

Setembro - Marolinha - O anunciado tsunami da crise mundial acabou mesmo em "marolinha" no Brasil. O diminutivo de "marola", usado por Lula para amenizar reflexos da crise na economia brasileira, indicou um otimismo que foi execrado no fim do ano, mas que em setembro lhe rendeu elogios internacionais. O jornal Le Monde, por exemplo, lhe atribuiu uma "visão correta" do cenário econômico. O processo de formação da palavra "marola" é semelhante ao de palavras como "bandeirola" e "camisola", que vão para o diminutivo com o acréscimo do sufixo de origem latina -ola.

Outubro - Olimpíadas - A mídia norte-americana bem que tentou jogar areia na candidatura do Rio de Janeiro a sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Em vão. Pela primeira vez, o Comitê Olímpico Internacional anuncia a cidade como a contemplada. O termo "olimpíadas" vem do latim olympias, adis, que por sua vez derivou do grego olumpiás, ádos, e quer dizer "espaço de quatro anos".

Novembro - Expulsão - Quase linchada por 700 estudantes ao usar um minivestido rosa na Uniban de São Bernardo do Campo (SP), onde cursava turismo, Geisy Arruda acabou expulsa da universidade por dois dias. Com a repercussão do caso, a universidade revogou a expulsão. Do latim expulsio, onis, o termo equivale à ação de repelir, lançar com violência, como o ato violento de alunos e direção da universidade paulista.

Dezembro - Ataque - Em Albina, Suriname, na noite de Natal, um brasileiro foi acusado de matar um surinamês de origem quilombola. Tal fato gerou uma onda de ataques e, segundo testemunhas, cerca de 200 brasileiros e chineses que viviam na região, a 150 km de Paramaribo, foram agredidos com facões, paus, pedras e machadinhas . O ataque deixou 25 feri­dos, e 19 brasileiras dizem ter sido estupradas. Ataque significa assalto ou investida, impugnação ou acusação, altercação, agressão. Deriva do italiano, attaccare.


Fonte (menos o mês de dezembro) - Revista da Língua Portuguesa.

9 comentários:

Anônimo disse...

Q tal fz uma retropesctiva com noticias boas que tenham ocorrido tb.

Me recuso a crer que só tenhamos capacidade de lembrar de coisas ruins ( é bem mais fácil, convenhamos ) .... vamos lá meu amigo, o mundo precisa tb de um pouco de otimismo.

:P

W

Thiago disse...

heuahuehauehuaheuahuea boa retrospectiva

só faltou comentar a morte da Leila Lopes =P

Luana C. disse...

Uma boa retrospectiva... Já tinha esquecido de alguns fatos eheheh! A memória aqui é fraca kkkk!

Tudo misturado em um só texto. Excelente!

Beijos.

Luana C. disse...

Já que o seu amigo falou de morte, você esqueceu de uma muito importante. A do Michael em junho!
Acho que essa ninguém esperava!

MJ

Anônimo disse...

Se é para ficar entao mais MORBIDA, coloque do Verequete.

W

Thiago disse...

E não se esqueçam do Lombardi... =P

Luana C. disse...

E do Clô (para os íntimos) em março.

Alamir Marinho disse...

Cara... onde eu tava quando aconteceram essas coisas??
Só fiquei sabendo que o Michael Jackson bateu catolé.

Tanto disse...

problema é que a retrospectiva se dá por palavras, entenderam? Morte houve em todos os meses, então não poderia definir a palavra morte, mês após mês! Mas realmente, senti falta do Maico!