domingo, 10 de janeiro de 2010

Amarilis Tupiassu I

Começo uma série pequena (de somente dois post) com textos publicados pela minha mãe, Amarilis Tupiassu, no jornal O Liberal aos domingos.

QUEM QUER DIVIDIR O PARÁ - Indigna já só a ideia de reduzir o Pará a Belém e Zona do Salgado. Coisa de político-forasteiro mal-agradecido. O cara chega à casa alheia, que o acolhe com hospitalidade, e se revela um aproveitador. Entra, fuça a geladeira, abanca-se no melhor sofá, escancara as portas dos quartos, e a gente sabe: é um folgado. Chora, estremece por seu estado de nascença, enquanto explora e desdiz do Pará, de que só pensa em chupar tudo, até o Estado inteiro, se deixarmos.

O retalhador do estado (dos outros) chega e se espalha feito água. Abanca-se, invade a cozinha, destampa, tem o desplante de meter o dedo na panela, antes do dono da casa, lambuza as mãos, lambe os dedos. Como os paraenses somos cordiais, ele confunde cordialidade com liberalidade. Vem, vai ficando, mergulha de unhas e garras afiadas em terras e política. Espalhado, o aproveitador, pronto, enriqueceu, encheu a pança. Fez-se fazendeiro, político de muito papo (balofo), o cara de pau. Alguns não dispensam trabalho escravo e agora dão de posar de redentores da miséria do Pará, como se só no Pará houvesse miséria. E cadê? Ih, já nas altas cúpulas, armando discórdia, querendo porque querendo dividir o estado do Pará, dizque porque é estado imenso e pobre, como se os miniestados brasileiros fossem paradisíacos reinos de felicidade, nenhum faminto sem teto, nenhum drogado, saúde e escola nos trinques, nada de tráfico e exploração de menores. Balela de retalhador.

O retalhador (do estado alheio) tem no cérebro sinal de divisão. Só quer dividir, não seu estado, onde o espertalhão não conseguiu levantar a crista. No Pará, não se contenta em ser fazendeirão, explorador de miseráveis. “Quero um estado pra mim, Assembleia Legislativa, rumas de assessores, Tribunal de Contas com obsceno auxílio-moradia, mesmo que eu tenha casa própria”.

E o retalhador já quer governar o estado (dos outros), quer reino e magnífica corte própria, algo comum nestas terras brasílicas dominadas por quadrilhas de políticos cara de pau, porque os dignos, vergonha na cara, os que lutam a valer por um Brasil de união, ordem e progresso, estes raros políticos dão uma de éticos e não põem a boca no trombone.

Não, o Pará não é casa de engorda e enriquecimento de esquartejador da terra dos outros. Mas o pior é que eles se juntam até a certos políticos paraenses, que, em vez de dizer não decisivo e absoluto à divisão, ficam em cima do muro. É que os muristas, paraenses também não são flor que se cheire. Incrível que políticos paraenses admitam o roubo oficial das ricas terras do Pará. Pendurados no muro, os muristas paraenses só pensam na engorda de seus vastos currais e não em defesa e união.

Sim, quem quer esfacelar o Pará? Deputados de longe que lambem os beiços por se apoderar do Marajó, do Tapajós, de Carajás. Risíveis os argumentos separatistas: “A imensidão do Pará impede seu progresso”. Nada! Papo de político! É vasta a miséria dos estados pequenos e do Brasil mal governado. Dividir vem da omissão de políticos do Pará, eles em ânsias por suas lasquinhas. Separatista daqui e de fora quer é feudo, castelo, mais poder. O mapa do Pará lembra um buldogue. Ele precisa de brio, amor-próprio, rosnar, se quiserem reduzi-lo em retalho. O Pará quer paz e união. Vamos calar os esquartejadores que boiam, do fracasso em seus estados, ao sonho de esfacelar o Pará. Vamos dizer não a mais essa mutreta de político espertalhão.

5 comentários:

Anônimo disse...

A maravilhosa prof. Amarilis mais uma vez tem razão

Mônica disse...

"Vamos calar os esquartejadores que boiam, do fracasso em seus estados, ao sonho de esfacelar o Pará."

To encantada. Já sou fã. Uma pena ela não ser minha professora. Mas espero ter a sorte de encontra-la em algum curso, mini-curso, oficina, palestra....algum lugar!

=*

Tanto disse...

É uma questão de razão. A quem interessa?

Mônica - sempre que tiver curso, ou qualquer coisa, te aviso, ok?

Anônimo disse...

Palavras de quem só conhece a questão "Carajás"! E o Oeste do Pará, tão-tão distante daqui, que, cheio de minérios, sustenta a "locupletância" dos entendidinhos da capital? Os intelect-cult daqui, cheios de poesia, que visitem as plagas distantes do alagado, para ver onde fica o Haiti daqui. Também abomino os "zoinho verde" do sul do Pará, mas, quanto ao Tapajós, dona Amarílis errou por quilômetros!

Tanto disse...

Caro Anônimo que adora a palavra Cult (deve achar cult falar cult...)

Dona Amarilis não errou, pelo simples fato de que deu a opinião dela. O fato de ser diferente da sua não significa que nenhuma das duas esteja errada, concorda?

A intelect-cult já visitou os distantes alagados a que você se refere, sabe bem onde fica o Haiti, e acredita que não é com divisão que se melhorará nada. Se for, viva o Piaui, o Acre e Amapa, Estados pequenos e tão problemáticos... Só o que melhorará, na sua opinião, é o bolso de alguns.