segunda-feira, 14 de março de 2011

Trumack e Potdjawa

Em meados de 1750 eram cerca de três mil índios Avá-Canoeiro no Brasil. Hoje são somente dez. Na tribo, quase inteiramente envelhecida, somente duas crianças poderiam gerar um descendente que continuasse a linhagem. São Trumack (nascido em 1987) e Potdjawa (nascida em 1989) os portadores de tal responsabilidade. Ocorre que Trumack e Potdjawa são irmão! Mas para os Avá-Canoeiro, assim como para muitos povos, o incesto é crime dos mais graves,  punido com a morte, pelo que fica posto o dilema mortal: passar por cima das regras tribais, das leis do homem e aceitar descendentes incestuosos, ou aceitar de forma pacífica o fim da etnia.
Quando os portugueses chegaram ao Brasil existiam cerca de três milhões de índios nessas terras. Hoje não passam de 325 mil, menos do que dois Maracanãs lotados.
Ainda existem 215 nações falando 170 línguas diferentes, mas certas situações são desesperadoras: segundo a FUNAI, os Xetá, no Paraná, são somente sete indivíduos; os Juma, do Amazonas, somente cinco; sem contar os Avá-Canoeiro, com seus poucos dez, sendo que somente seis tem contato com a 'civilização'. As tribos mais numerosas são Ticuna (23 mil índios), os Xavantes e Kayapó.
Fonte: Bueno, Eduardo. Brasil: uma história. O Brasil indígena, p. 27.

Um comentário:

fabio disse...

Isso foi culpa dos portugueses, que mataram centenas de milhares de índios, na sua sanha por terras e ouro, e, em um segundo momento, bem mais recente, imigrantes do sul, que se aproveitaram das insensatas "estradas no meio de floresta" do governo militar brasileiro, para (des) matar oureos milhares de índios, na sua busca por madeira.Os grande projetos tbm foram genocidas com a spopulações indígenas, como a Hidrelétrica de Tucuruí, em que houve tbm muita matança, embora o governo brasileiro tenha guardado muito bem essas informações....